Arquivo para agosto \31\UTC 2009

PRA COMEÇAR BEM

Então minha gente, fins de semana rendem sempre posts bacanas, porque meu coração se enche de coisas boas e novas todos os sábados e domingos. Adooooooooro. Hoje estou feliz e com um bom humor insuportável, então pra começar bem a semana, dois textos de Shakespeare pra inspirar nossa segunda.


** há quem diga que todas as noites são de sonhos.
mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão.
no fundo, isto não tem muita importância.
o que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos.
sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares,
em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado.

ai, ai… adoro verão, adoro Shakespeare…


** amor não é amor
se quando encontra obstáculos se altera,
ou se vacila ao mínimo temor.
amor é um marco eterno, dominante,
que encara a tempestade com bravura;
é astro que norteia a vela errante,
cujo valor se ignora, lá na altura.
amor não teme o tempo, muito embora
seu alfanje não poupe a mocidade;
amor não se transforma de hora em hora,
antes se afirma para a eternidade.
se isso é falso, e que é falso alguém provou,
eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

E, sim, é verdade, estou apaixonada

por Shakepeare 🙂


DOMINGO DE SOOOOOL

Papai do Céu me presenteou esse domingo, depois de dias de frio e chuva, com um céu super azul, bem daquele jeito que eu gosto e que me faz ficar feliz da vida!

Enfim, o domingo foi ótimo meeesmo, por vários motivos que vou contar aqui (e por outros também que não vou contar – ah, por favor, não me condenem, eu não posso dar Ctrl C + Ctrl V na minha alma!).

Começou assim, lá na igreja, li uma coisa que me pôs a pensar (bom ouvir logo cedo a voz de Deus):

“A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se de toda imoralidade. Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e honrosa, não dominado pela paixão de desejos desenfreados, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. Portanto, aquele que rejeita estas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus, que lhes dá o seu Espírito Santo.” Como agradar a Deus – I Tes.4:3-8 NVI

Depois, fui fazer o que qualquer pessoa em sã consciência que mora abaixo da linha do Equador faz num lindo dia de sol, com temperatura por volta de 27º: praaaaaaia, of course!!!!

Tive a super agradável companhia do meu amigo Gildson (ratinho de praia like me) e passamos o dia às voltas com gargalhadas, histórias e estórias, sem faltar é claro de picolé Ajelso (o melhor das terras capixabas) de coco com abóbora, batata rufles, pingo de ouro, água de coco e banho de mar! Ah, e ainda fiz o rapaz de meu motorista… preguiçinha de dirigiiiir…

– Mais tarde coloco uma fotinha, só para registro.
– Agradecimentos especiais a Renata, noiva do Gi, que me cedeu o moço por uma tarde.

Enfim, começamos bem a semana. Permaneçamos assim!
Amém e amém!

e vocês, como estão? 🙂

SIM, SENHORA! parte II

Eis, meus grifos, prometidos aqui. O post tá meio grande, gente! Sorry, mas não resisti. Alencar é maaaaara!


Senhora, de José de Alencar!

** Mas a serenidade que se derramara por toda a sua pessoa, se de alguma sorte desmaia a cintilação de sua beleza, a embebe de um fluído inefável de meiguice e carinho, que a torna irresistível.
Autor falando da beleza de Aurélia

** Sentiu então Aurélia essa quietude que sucede às lutas do coração. Ela tinha afinal resolvido o problema inextricável de sua vida; e em vez de abandonar-se ao acaso e deixar-se levar pelo turbilhão do mundo, achara em sua alma a força precisa para dirigir os acontecimentos e dominar o futuro.
Aurélia quando resolve o “negócio” do seu casamento

** Aqui tem minha mão; é tudo quanto posso dar-lhe. A mulher que ama e que sonhou, essa não a possuo. Mas se o senhor tiver o poder de realizar, ela lhe pertencerá absolutamente como sua criatura. Acredite que esta é a esperança de minha vida, eu a confio de sua afeição.
Aurélia para Fernando no noivado

** Ah! Deixe-me respirar! Nunca fui amada, nem pensei que seria com tamanha paixão. Careço de habituar-me aos poucos.
Aurélia para Fernando por causa dos seus excessivos galanteios (é amor, Aurélia!)

** Representamos uma comédia, na qual ambos desempenhamos o nosso papel com perícia consumada. Podemos ter esse orgulho, que os melhores atores não nos excederiam. Mas é tempo de pôr termo a esta cruel mistificação, com que nos estamos escarnecendo mutuamente, senhor. (…) Entretemos na realidade por mais triste que ela seja; e resigne-se cada um ao que é, eu, uma mulher traída; o senhor, um homem vendido.
Aurélia para Fernando logo após o casamento (cruel, muito cruel!!!!)

** Parecerá estranha essa paixão veemente, rica de heróica dedicação, que entretanto assiste calma, quase impassível, ao declínio do afeto com que lhe retribuía o homem amado, e se deixa abandonar, sem proferir um queixume, nem fazer um esforço para reter a ventura que foge. (…) Esse fenômeno devia ter uma razão psicológica, de cuja investigação nos abstemos; porque o coração, e ainda mais o da mulher que é toda ela, representa o caos do mundo moral. Ninguém sabe que maravilhas ou que monstros vão surgir desses limbos.
Autor falando de como Aurélia aceitava resignada o afastamento de Fernando após o casamento.

** O casamento é geralmente considerado como a iniciação do mancebo na realidade da vida. Ele prepara a família, a maior e mais séria de todas as responsabilidades. Atualmente esse ato solene tem perdido muito de sua importância; indivíduo há que se casa com a mesma consciência e serenidade, com que o viajante aposenta-se em uma hospedaria.

** Se o homem a quem amava, se ajoelhasse a seus pés e lhe suplicasse o perdão, teria ela forças para resistir e salvar a dignidade de seu amor?
Aurélia pensando sobre…(ó dúvida crueeeel!)

** Então reconhecia que a vítima de sua ira não fora o homem a quem detestava, mas seu próprio coração, que havia adorado esse ente, indigno de tão santo afeto.
Aurélia se dando conta do quanto sua vingança atingia a ela própria.

** Deixou-se aliciar por essa ilusão, embora estivesse bem convencido de que a veria dissipar-se de repente, e dolorosamente como as outras. Mas sua alma tinha necessidade de repouso e ainda mais do conforto de uma crença consoladora; abandonou-se àquela doce quimera e quis persuadir-se de que revivia um idílio de seu passado.
Fernando numa fase em que Aurélia o tratava com candura e afeto (mas era puro interesse dela 😦 )

** As pálpebras (de Aurélia) ergueram-se; os grandes olhos, cheios de luz e de amor, inundaram o semblante de Seixas, e cerraram-se logo levando-lhe toda a vontade e consciência, como uma onda que depois de espraiar-se, reflue, trazendo no seio tudo quanto encontrou em sua passagem.
Fernando, “enfeitiçado” por Aurélia

** Pois bem, agora ajoelho-me eu a teus pés, Fernando, e suplico-te que aceites meu amor que nunca deixou de ser teu, ainda quando mais cruelmente ofendia-te (…) Aquela que te humilhou, aqui a tens abatida, no mesmo lugar onde ultrajou-te, nas iras de sua paixão. Aqui a tens implorando teu perdão e feliz porque te adora, como o senhor de sua alma.
Aurélia no final do livro (Wow, que leeeeeeeeendo, doeu o coração!)

SIM, SENHORA! parte I

Já tinha dito aqui que estava relendo Senhora. Um cláaaassico que eu amo! Confesso que, novamente, Alencar me arrebatou e me deixou febril nos últimos dias com essa leitura. Eis o que acho:

Aurélia é prova que amor e ódio são separados por uma tênue linha. Fernando tampouco não é vítima, muito acomodado, cavou a própria cova. Ambos são cruéis um com outro e apaixonados (e apaixonantes!).

José de Alencar imprime sentimentos e personalidades politicamente incorretas aos dois personagens (suuuuper bem escritos), mas eis aí a beleza da estória, porém, não tentem repetir isso na vida real, ok! É perigoso! 🙂

Ela – maquiavélica, vingativa, dissimulada e, claro, monstruosamente apaixonada.
Ele – interesseiro, covarde e, também, louco de amor.

Duas coisas me chamam a atenção:
– Acho Aurélia pior que Fernando (Seixas), mais cruel!
– Ela, com a sina da vingança, sofre tanto quanto ele ou mais (que burra!). É a minha teoria se confirmando: quem não perdoa não tem liberdade, tenta matar o outro atacando a si próprio.

Enfim, o final redime a ambos, eu acho! Mas a história podia ter sido menos dolorosa (mas aí não teria tanto encanto, ne?). A gente adora ler um draminha….Queria muito que tivesse uma continuação… heheeh, adoro sagas!!!

Pegando a moda da Brenda, de comentar os livros que lê, no próximo post vão uns grifos pra suspirar. São frases que separei (pro post não ficar muito grande, né?)

Bom, pra quem já leu, o que acham?
Pra quem ainda não leu, eu super recomendo. Não acreditem nos que falam mal do Alencar, gente! Experimentem!

Beijomeacompanhe!

OLHA O QUE O MÁRIO DISSE


**
Não existe hora certa para dizer o que sentimos
Se quem estiver te ouvindo não te compreender, não te merecer…
O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida,
ou lutamos para realizar todas as nossas loucuras…

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.
**


Concordo com Mário Quintana! 🙂

obs: esse texto completo você encontra no blog da Adriana! Beijo, Adri!

VOCÊ PERDEU

vês, então, como quem perde é você:
cá estou eu, nessa noite de chuva e vento
mas me aquece, feliz, uma xícara de achocolatado fumegante

pra quem lê, pode achar pouco para me fazer feliz uma xícara sem você
mas só quem entende, sabe que era assim
que começávamos aquecer nossas noites

vês como quem perde é você?
quem começaria a te aquecer com uma xícara de achocolatado fumegante,
do jeito que só eu sabia fazer?

e assim, continuo aquecida, todas as noites
mesmo sem você

HISTÓRIAS QUE TENHO PRA CONTAR

Esse ano, me dei ao sabor de cumprir um desejo de há muito, voltei a ler como antes. Tem me ocupado o tempo, distraído a mente e me agregado um bom punhado de vocabulário, ideias, lirismos e poesia.

Já estava lendo Personality Plus, de Florence Litauer, sobre os 4 temperamentos (muuuuito esclarecedor e divertido, vale a pena, mas é antigo, só se compra em sebo – vou escrever sobre ele qq hora) e domingo comecei a reler Senhora, de José de Alencar (não me arranquem os olhos: sou só eu que gosto do Alencar?). Além da Bíblia, claro, sempre, todos os dias…aliás tenho lido como nunca antes!

Enfim, leio de todos os tipos: crônicas, romances, biografias, engraçados, dolorosos, instigantes, viajantes…Então, se quiser ir na onda, segue uma listinha dos que me lembro que li nos últimos meses:

– O Terceiro Segredo | Steve Berry eletrizante
– Quem tem Medo do Escuro | Sidney Sheldon eletrizante
– A Cabana | William P. Young esperava mais
– As Belas Coisas que é do Céu Contê-las | Dinaw Mengestu não recomendo (também com um nome desses, oque meu deu pra comprar?!)
– Crespúsculo, Lua Nova, Eclipse e Amanhecer |Stephenie Meyer preciso comentar?
– Doidas e Santas | Martha Medeiros diversão garantida
– Solstício de Inverno | Rosamunde Pilcher delicioso, emocionante
– Com todo amor | Rosamunde Pilcher rosamunde nunca decepciona

E aí? Alguma indicação pra mim? Super aceito sugestões!
beijomeliga 🙂

___________________

UPTADE
– O Pequeno Príncipe |Antoine de Sanit-Exupéry fofo, já falei dele aqui



SEJA BEM-VINDO!

JULIANA ESCREVE
Sobre tudo que alcança seu coração, o que não é pouca coisa! Deus, família e amigos são assuntos recorrentes. Milagres, bençãos e bom humor também fazem parte... Se quiser ficar no meu coração, à vontade, mas não traga porcarias para dentro dele, ok? :)

Categorias