SOBRE O CASAMENTO

Muitos de vocês devem conhecer essas imagens. A deliciosa simplicidade das crianças, se não nos ensina, pelo menos diverte.

E vamos combinar que elas são muuuuuito perspicazes… sacam umas verdades no ar!!! Hahaha.

Slide2-10

Como decidir com quem se casar?

Slide6-10

É, a vida é assim mesmo... beijou, casou!

É, a vida é assim mesmo... beijou, casou!

Ah! Agora entendi porque quiseram casar comigo: alguém tinha que limpar a cagada né? :)

Ah! Agora entendi porque quiseram casar comigo: alguém tinha que limpar a cagada né? 🙂


Agora entendi tudo... por isso que não deu certo!!!

Agora entendi tuuuuudo... por isso que não deu certo!!!

Gente, ri um monte com essas coisas, mas, admito, tive que concordar com algumas coisas! 🙂

Anúncios

7 Responses to “SOBRE O CASAMENTO”


  1. 1 Brenda Nepomuceno 12/08/2009 às 08:24

    Amiga, ameeeeeei o post!
    Qualquer dia desses eu reproduzo ele no meu blog, pode? Com os devidos créditos, é claro! 😉
    Rolei de rir aqui… Minhas preferidas foram as da Cristina e do Henrique… que coisa mais fofa, gente!
    Beijinhos.

    Curtir

  2. 3 Mila 12/08/2009 às 22:30

    Eu já recebi essas respostas por email. Tenho que admitir que as crianças são muito mais inteligentes do que muito adultos.

    Só uma pessoinha de nove anos pra saber – e ter coragem de dizer – que para as meninas é melhor ficar solteira, mas os homens precisam de alguém que limpe… rs
    Também achei esse o melhor de todos!!

    Conheço um texto que mostra uma visão bem diferente das crianças. Não é sobre casamento, mas relacionamentos em geral:

    Quando você acaba de conhecer uma pessoa, você acha que ela gosta de você antes de mais nada. Um amigo de um amigo de um amigo dessa pessoa diz que ele ou ela gostou de você e isso te mata, te pressiona, te arremessa contra o chão, você tem que catar seus pedaços.

    Aí você consegue o telefone da pessoa, e imediatamente a liga. Você diz: é, foi ótima a nossa conversa pelo telefone. Posso te ver qualquer dia desses? E aí a pessoa diz: sim, eu gostaria.

    “Eu gostaria” faz você cair no chão de novo, seu coração está prestes a parar por causa do “eu gostaria”. Nada é melhor do que “eu gostaria”. Então agora sua pressão sanguínea está subindo, você está a dois metros do chão e não consegue dormir por causa do “eu gostaria”.

    Então você dá uma saída, volta a ligar para a pessoa e percebe que vocês se falam o tempo todo no telefone e manda a bomba: sabe, eu tenho pensado muito em você!!

    E aí a pessoa reage com um “aaaaaaahhhhhhhh”. Você: o que houve? E a pessoa: me desculpe, é que…, é que…, eu também tenho pensado muito em você.

    BOOM! Isso te leva a lugares mais altos que o céu! Mas e o “eu gostaria”? É passado. Agora você está mais para “tenho pensado muito em você” e, com o passar dos meses, quando você se sente confortável dizendo “eu tenho pensado muito em você”, você diz: eu tenho que te dizer uma coisa. E a pessoa: o que? E que você responde: eu estou apaixonada por você! E nada no mundo soa melhor do que “eu estou apaixonada por você”. E talvez nesse momento a pessoa comece a chorar, talvez ela faça novamente o “aaaahhhhhhhh”, e de repente você sente que está “no clima”.

    Mas agora “eu gostaria” e “tenho pensado muito em você” não funcionam. Agora você está mais para “estou apaixonada por você”. E talvez um dia isso evolua para “eu te amo”; mais adiante, isso vira “eu te amo muito”, “eu te amo mais do que tudo na vida”: agora “eu te amo” não funciona.

    Assim segue o relacionamento rapidamente. Seis meses passam como se fossem seis semanas. Agora você está na fase “eu quero me casar com você”, “eu quero engravidar de você, meu amor”, “eu só quero te dar o meu amor”. Droga! As palavras não funcionam mais. E é aí que você diz (e você sabe que já disse essa frase alguma vez na vida): eu gostaria que colocassem uma nova palavra no dicionário mais forte do que ‘amor’, porque ‘amor’ não descreve o que eu sinto”.

    E aí começa… “Você me ama?”. “Claro que eu te amo”. “Então diga que me ama”. E a pessoa começa a dizer duas vezes, três vezes, quatro vezes. Aí vocês atingem um ponto interessante no qual de repente tudo isso se transforma em “eu te odeio”. E você diz: meu Deus, ele me odeia! E agora está mais para “eu te odeio mais do que qualquer coisa” e para “acabou”. Você diz “não, não acabou” e você mesma diz “sim, acabou”. E agora nenhuma palavra funciona. Mesmo.

    Você foi deixada sem nada, sai dando soco no vento. Você está acabada, arrasada.

    Quer saber qual é a moral dessa história? Se é que existe uma… Nunca, jamais, nunca mesmo, subestime o poder do “eu gostaria”.

    É por isso que eu prefiro a visão dos minisseres (CRUZES, QUE PALAVRA HORRÍVEL) humanos…

    Curtir

  3. 5 Nathalia 13/08/2009 às 19:14

    uahuahauhauahua me diverti horrores com esse post!!!!!
    isso me fez lembrar o pequeno príncipe!!!!
    muito legal!!!
    engraçado como a gente consegue complicar as coisas….
    e vem ca.. vo cobrar adoryan.. que história é essa de esperar mais 6 anos??? ja era pra gente ter casado a 3 pelo menos!!! desde o primeiro beijo!!! hum!!
    rsrsrsrsrs
    A MELHOR: quando se deve dar o primeiro beijo? quando o homem é rico!

    Curtir


  1. 1 Sinceridade Infantil « - A Sunny Place. Trackback em 27/08/2009 às 09:57

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




SEJA BEM-VINDO!

JULIANA ESCREVE
Sobre tudo que alcança seu coração, o que não é pouca coisa! Deus, família e amigos são assuntos recorrentes. Milagres, bençãos e bom humor também fazem parte... Se quiser ficar no meu coração, à vontade, mas não traga porcarias para dentro dele, ok? :)

Categorias


%d blogueiros gostam disto: